31 janeiro, 2007

Espantos #18

O rio congelou, não pelo frio que faz hoje em Boston (-1C, equivalente a -6C com o efeito vento) mas pelo que fez. Hoje está um lindo dia de sol, excelente para se andar pela rua desde que não seja pela sombra ;-)

30 janeiro, 2007

29 janeiro, 2007

Retirado do contexto # 1

Se ao menos tudo fosse igual a ti...

Fácil de entender, The Gift

No Times de hoje # 25

O New York Times traz hoje um artigo que fala de calças de ganga e de patentes. Aparentemente, o conhecido desenho de uma gaivota a voar dentro de um pentágono (tão comum em todas as calças que conheço) usado pela primeira vez pela Levi's há 133 anos, foi roubado por várias firmas concorrentes que o puseram em calças carissimas de cintura descida que atingiram um nível ímpar de popularidade. A Levi's vem agora reclamar reparos financeiros em tribunal.
______________________

John Markoff escreve hoje para o Times a partir de Davos, da reunião do fórum económico mundial. O artigo que fala do projecto do compuator de $100, que está previsto arrancar no final de 2008 e que terá como objectivo facultar um computador por criança no mundo subdesenvolvido e assim ajudar ao salto tecnológico. As divergências já começaram: por um lado a companhia (associada ao MIT) que está a desenvolver o projecto, que tenta convencer os líderes mundiais a investirem nele; por outro a grande companhia de microprocessadores Intel que vê naquele projecto uma alternativa ao seu próprio mercado de computadores portáteis. Estalou o verniz!

"Craig has to look at this as a market, and I look at this as a mission."

Nicholas Negroponte (MIT) on Craig Barrett, the chairman of Intel.

28 janeiro, 2007

Medusa


Gian Lorenzo Bernini

27 janeiro, 2007

Caprichos # 9

Da Guerra

Nunca consegui perceber a atitude/bravura/show-off jornalistico na cobertura de guerras. Lembro-me de ver o Artur Albarran, com colete à prova de bala, reportar "algures da Arábia Saudita", quando já tinha idade para perceber alguma coisa e de pensar em quanto tinham de pagar a um jornalista para o colocar na linha de fogo. Não valeria mais ficar desempregado? Vieram depois outros conflitos, mas a sensação estranha ficou.

Hoje li um artigo na Economist que me leva a pensar de maneira diferente. Talvez seja apenas uma forma de estar, que não pode ser entendida no clássico modelo económico da compensação pelo sacrifício... talvez.

É entendendo aquele comportamento fora do contexto económico, que surge o paradoxo: não é que aquelas pessoas não sintam as atrocidades da guerra, mas é como se a guerra fosse apenas o cenário, havendo algo maior (que certamente variará de pessoa para pessoa) em causa. Por exemplo, para mim, ver o filme A Ponte sobre rio Kwai é ver um filme de guerra, mas mais do que esperar a guerra, espero a música.
_______________

The Balkans
Jan 26th 2007
From
Economist.com

ThursdayMARTHA GELLHORN, the famous war correspondent said, referring to the Spanish civil war, that it was only possible to love one war. The rest were duty. Since the Yugoslav wars I have covered Afghanistan, Iraq and Darfur, among others. The late, great Gellhorn was right. They were duty.

Janine di Giovanni, a journalist who covered the Balkan wars courageously, said in a recent book that whenever she went to back to Sarajevo, she could never forget the dead: “They were still there―hanging around the brand-new Benetton shop or the internet café or the Mexican restaurant that served bad margaritas. They followed me around like warm, grey clouds.”

When I read that I felt a shiver down my spine. I have known that feeling. But the Bosnian war ended almost 12 years ago. I go back often. Things have changed. The past does not bother me so much. It does not cling to me, as it seems to cling to many who were here.

When I pass a place where something happened, or where I saw something that stuck in my memory―the dead man slumped over the wheel of his car by the supermarket in Sarajevo, one of the first deaths in 1992, for example―I can still see the image in my mind. But it is as though I am looking back at fading pictures in a book.
EPASarajevo, 1995: No foreigner can feel this pain


What I mean here is that I feel these parts of my past are like finished chapters. I can pick up the book and look at the pictures. I can see them. But now I am writing new chapters, and they are about questions such as European integration, how best to run Bosnia, the future of Kosovo, more privatisation in Serbia, and so on.

Almost every day I have dealings with foreign diplomats and think-tank people and strategists, in Brussels and elsewhere, who are working on this region. All of us are somehow caught up with the future here.

I glaze over when I meet journalists who covered the wars but know nothing of how the region has changed since. They have become “checkpoint bores”, blathering on about what happened at Checkpoint Alpha Sierra in 1993 as if nothing more of note had happened.

The far bigger problem is the number of European politicians and business leaders whose perception of the Balkans is also stuck in the past, who do not understand how enormously the region has changed since the end of the wars.

Only by understanding how far these countries have come, can the rest of Europe help them advance further. Bosnia, says one Bosnian Serb friend of mine, must keep moving towards the EU, not because a new war might break out, but because the European ambition gives it energy and purpose. Without that ambition, as he puts it, Bosnia would “decompose”.

I was talking to a 30-something Bosnian journalist. She is bright, attractive, with a good job. She loves Sarajevo. She has decided to make her life here, rather than go abroad as so many of her compatriots have done.

She told me how, in 1992, her leg was injured by a Serbian shell. Eventually she got to a hospital.
Because she was young, the doctor said, he would not amputate. She had to endure weeks of staggering pain as the raw wound was cleaned every day without anaesthetics.

Suddenly she fell silent, and I realised that the memory had simply become too much for her. In other words, while I see the past in my mind's eye, she, and millions of others across the former Yugoslavia, actually feel it in a way a foreigner cannot.

So, if you are a politician in a western European country, and you think you can score a few extra votes by disparaging EU enlargement into the Western Balkans, please do think again. Enlargement is only part of the process for bringing durable peace and security to the Balkans, but it is an essential part, and the hope of it is doing much good already. Help the Balkans to continue that progress. Don't let history get in the way again.

26 janeiro, 2007

Pormenores #14

Memorial Church @ Harvard University
4.45pm, 25 Jan. 2007. The sunset's golden touch makes it almost unreal...

25 janeiro, 2007

Ditto #25

The outcome of any serious research can only be to make two questions grow where only one grew before.

--Thorstein Veblen*
_______________

* Had to be an economist... "we're in the answer business!"

24 janeiro, 2007

Do amor


Esta vista de mar, solitariamente,
dói-me. Apenas dois mares,
dois sóis, duas luas
me dariam riso e bálsamo.
A arte da natureza pede
o amor em dois olhares.

Fiama Hasse Pais Brandão

Daffodils

Daffodils

I Wander'd lonely as a cloud
That floats on high o'er vales and hills,
When all at once I saw a crowd,
A host, of golden daffodils;
Beside the lake, beneath the trees,
Fluttering and dancing in the breeze.

Continuous as the stars that shine
And twinkle on the Milky Way,
They stretch'd in never-ending line
Along the margin of a bay:
Ten thousand saw I at a glance,
Tossing their heads in sprightly dance.

The waves beside them danced; but they
Out-did the sparkling waves in glee:
A poet could not but be gay,
In such a jocund company:
I gazed—and gazed—but little thought
What wealth the show to me had brought:

For oft, when on my couch I lie
In vacant or in pensive mood,
They flash upon that inward eye
Which is the bliss of solitude;
And then my heart with pleasure fills,
And dances with the daffodils.

-- William Wordsworth

23 janeiro, 2007

Ditto #24

Laws are like sausages. It's better not to see them being made.

--
Otto von Bismarck

22 janeiro, 2007

No Times de hoje # 24

A batalha legal pelos ecritos e cartas de Ted Kaczynski (também conhecido como Unabomber) está ao rubro. Nove anos depois de começar a cumprir a sua pena perpétua numa prisão de alta segurança no Colorado, Ted vem agora reclamar em tribunal a custódia dos seus manuscritos e correspondência, que pretende doar para a Universidade do Michigan. O governo federal está a pensar levar os escritos a leilão para assim conseguir o dinheiro que as familias das vítimas devem receber em indemnização, mas que nunca foi pago.

Os escritos contêm pormenores relacionados com as bombas enviadas por correio entre 1978 e 1995, assim como o seu manifesto contra a tecnologia e ainda cartas da familia.

O conflito legal está cheio de pormenores interessantes: primeiro foi preciso pôr as vítimas de acordo em levar o processo para tribunal, apenas quatro das cinco aceitaram; depois, David Kackzynski, irmão de Ted, não quer que cartas de família sejam vendidas a coleccionadores da arte do crime; finalmente o próprio Kackzynski cita a primeira emenda à constituição ao dizer que o governo federal não tem direito aos seus escritos nem a alterá-los.

Conflitos de justiça à parte, não deixa de ser triste que sejam as próprias familias das vítimas a colocar o processo em tribunal, como que vendendo a sua própria dor aos jornais e coleccionadores. A única vítima que se demarcou da questão (David Gelernter, professor de informática em Yale) fez saber, numa carta dirigida ao tribunal, que espera que o espólio do criminoso seja destruído ou se necessário selado durante pelo menos 100 anos, periodo após o qual deverá ficar gratuitamente disponível a investigadores dedicados à depravação. Fica o excerto em que expressa mais veementemente a sua opinião:

"'My wife and I are outraged that the court has decided to turn the sale of this criminal’s property into a circus — or (more accurately) into a P.R. bonanza, starring the criminal himself,' Mr. Gelernter wrote. 'Why have you decided to help vicious misfits with cash to burn lionize this evil murderer?'

In a recent e-mail message to The New York Times, Mr. Gelernter said he had nothing but pity and contempt for anyone who would bid on Mr. Kaczynski’s items unless 'they’re acting for a police agency or some serious research project that seeks to rid the world of (not ‘understand’) such vicious cowardly thugs.'

But he emphasized that the other victims had the right to 'call their own moral shots' and that he hoped that they received everything they wanted .

'God knows they deserve it,' Mr. Gelernter said."

21 janeiro, 2007

No Times de hoje # 23

O próximo album de Norah Jones vai sair dia 30, com o nome Not too late. O artigo Norah Jones, Now in Her Own Words traz os pormenores das canções e do contexto em que Norah as escreveu. Traz também um pouco da sua vida, que decidiu partilhar com os leitores de domingo do New York Times ;-) Para além disso o clip da música "Thinking About You" e ainda outro "Rosie's Lullaby" que encontrei aqui.
__________________________

Acerca do cheiro a gás que assolou Manhattan no dia 8 de Janeiro (parece que foi ontem e já lá vão duas semanas), não um, mas dois artigos hoje no New York Times. Moral da história: não se sabe e nunca se vai saber ao certo o que foi, ficam as explicações dos cientistas da Universidade de Columbia que abordam o problema na sempre interessante perspectiva da investigação. É engraçado... qualquer que seja a área de estudo há sempre elementos comuns na forma de abordar os problemas!

20 janeiro, 2007

Parece que estou a ouvir # 12


It is the passion flowing right on through your veins
And it's the feeling like you're oh so glad you came
And it is the moment you remember you're alive
It is the air you breathe, the element, the fire
It is the flower that you took the time to smell
It is the power that you know you got it well
It is the fear inside that you can overcome
This is the orchestra, the rhythm and the drum

Como uma força, como uma força
Como uma força que ninguém pode parar
(Pode parar)
Como uma força, como uma força
Como uma fome que ninguém pode matar

It is the soundtrack of your ever-flowing life
It is the wind beneath your feet that makes you fly
It is the beautiful game that you choose to play
When you step out into the world to start your day
You show your face and take it in and scream and pray
You're gonna win it for yourself and us today
It is the gold, the green, the yellow and the grey
The red and sweat and tears, the love you got, Hey!

Como uma força, como uma força
Como uma força que ninguém pode parar
(Ninguém pode parar)
Como uma força, como uma força
(Esta força)
Como uma fome que ninguém pode matar

Força, força, força, força

Closer to the sky, closer, way up high
Mais perto do céu, mais perto do céu

Como uma força, como uma força
Como uma força que ninguém pode parar
Como uma força, como uma força
(força...)
Como uma fome que ninguém pode matar
(força...)

Como uma força, como uma força
(It is the passion flowing right on through your viens)
Como uma força que ninguém pode parar
(It is the feeling like you're oh so glad you came)
Como uma força, como uma força
(It is the moment you remember you're alive)
Como uma fome que ninguém pode matar
(It is the air you breath, the element, the fire)

Como uma força, como uma força
Como uma força que ninguém pode parar
Como uma força, como uma força
Como uma fome que ninguém pode matar

Força, força, força...
Pode parar Este amor, este amor
É tão grande e tão forte
Come on
__________________

Há dias em que se tem toda a força & há dias em que é preciso toda a força!

19 janeiro, 2007

Ditto #23

(Gustav Klimt, Lady with hat)

Charm is a way of getting the answer yes without asking a clear question.

-- Albert Camus

17 janeiro, 2007

Mais um


Key to the fields, René Magritte.

No Times de hoje #22

O artigo Keep Your Shoes On, for a Price de hoje do New York Times fala da inconveniência que é tirar os sapatos para passar no raio-X nos aeroportos americanos. Tudo porque uma vez, um maluco escondeu explosivos no salto do seu sapato, agora temos de andar ali descalços (muitas vezes em cima de chão de pedra) a olhar para a saída da máquina do raio-X à espera que saiam os nossos sapatinhos, que provavelmente ficaram retidos na passadeira porque foram à frente de uma mala ou assim. Viajar de atacadores é um problema, porque demoram muito mais tempo a tirar e a pôr!

Francamente, já há tantas coisas em que se pensar quando se viaja que o tipo de sapatos que se leva é bem dispensável. Ainda por cima, em qualquer outro país que se embarque não mandam tirar sapatos!
Pois agora parece que o problema vai ficar resolvido, para quem quiser pagar uma taxa de $100 por ano e facultar dados pessoais e biométricos para poder passar nas linhas rápidas (tipo via verde) do raio-X... de facto há mercado para tudo!

16 janeiro, 2007

Espantos #17

O artigo abaixo mostra como viviam aqueles que podiam viver assim. E lembro-me do Tevye... "would it spoil some vast, eternal plan if I were a wealthy man?" ;-)
_________________

HISTORY FOR SALEJan 13th 2007
From
Economist.com


Inside a royal household of 19th-century Greece

READING biographies, visiting museums and paying attention in class arethe traditional ways we learn about history. But there are other, more unorthodox methods: walking across battlefields, smelling dungeons, listening to old people tell stories of their youth. And what about auctions? What do the great clear-out sales, now such a regular feature of the auction calendar, tell us about their (usually departed) owners? How much do you learn about a man from his possessions?

This month Christie's will sell the furnishings of King George I of the Hellenes, who accepted the Greek throne in 1863, as a teenage Danish prince, and ruled for 50 years. His reign ended abruptly in the midst of the Balkan turmoil that led to the first world war. He was shot in the back while taking his evening stroll through the streets of Salonika.

Before his grisly end he was known as a kindly man, devoted to duty and aided in his kingly task by his Russian-born wife, Queen Olga, who arrived in Greece at the age of 16, wearing a dress in the Greek national colours of blue and white, and with her childhood dolls in her suitcase.

The family brought the formality of mid-19th-century royalty with them, even when they let their hair down. Court balls began at 10pm with the king and queen dancing a quadrille while their guests sat on hard green velvet sofas (Lots 179-184) and a seemingly endless number of giltwood banqueting chairs (Lots 186-192).

When there was no formal entertainment, the royal family used the ballroom as a makeshift indoor arena around which the king and queen, followed by their family in strict precedence, roller-skated or cycled, slaloming around the grand pillars and the heavy carved tables which they had had slavishly copied from the French by local artisans (Lot 178).

Nor did the formality end when they left for Tatoi, their country estate outside the city. Each room was furnished to the brim, the walls thick with classical landscapes and English portraits. Some they inherited, some they bought themselves, occasionally from dealers who were only too happy to dupe the royal pair.
The frame of a portrait of Lady Catherine Wemyss in a brown dress (Lot 82) boasts that the picture is by Kneller, the foremost portraitist of his time. Christie's attributes it only to "Circle of Sir Godfrey Kneller", and the estimate, at GBP 2,000-3,000, is commensurately low.

The queen also liked to buy small carved animals by Faberge, a fellow Russian. Mice, turkeys, kangaroos, seals, dogs, kittens, rabbits, pigs, walruses and chameleons, as well as a leaping frog with fabulous diamond eyes (Lot 372, shown left), dotted the shelves of her bedroom. Her favourite pieces, though, were her 13 elephants --the Order of the Elephant being the highest order of chivalry in her husband's native Denmark.

The servants who dusted these tchotchkes were crucial to keeping the royal household functioning smoothly. While the king sat at his desk or chose a cigarette from one of his 43 cigarette cases, his wife could summon a footman, using the jewelled enamel bell pushers (Lots 411 and 433) which Faberge had made specially for Tatoi.

There were servants in the dining room who did nothing but polish silver. At breakfast there were silver egg cruets, salt cellars, toastracks and mustard pots. At supper there were dinner plates, waiters, salvers, sauceboats, soup tureens and souffle dishes, also all of silver.

Silver frames displayed the menus of many courses. At each setting knives and forks spread out to right and left with the exuberance of a wave rushing up a shallow beach. The family could choose between the English banqueting service, with its 738 pieces of flatware, or the French. Each of these 922 pieces is inlaid with ivory and ebony, and none of them goes in the dishwasher.

Today the king and queen are buried in a white marble mausoleum in the grounds of Tatoi, and the house is boarded up. The roof has holes that let in the rain. Many of the marble pieces around the parterres have been pilfered. At the bottom of the king's private swimming pool there is only mud, leaves and dead frogs. The world of Faberge is history.

THE COLLECTION OF KING GEORGE I OF THE HELLENES WILL BE SOLD AT CHRISTIE'S IN LONDON ON JANUARY 24TH AND 25TH.

15 janeiro, 2007

Ditto #22

(Google logo for Martin Luther King's Day)

Each problem that I solved became a rule which served afterwards to solve other problems.

-- René Descartes

14 janeiro, 2007

13 janeiro, 2007

Coisas que não mudam #7

As coisas doces da pastelaria Japonesa... este chama-se saccai e é excelente!

(Mais imagens de doces Japoneses aqui, fazer refresh para ver mais, e mais, e mais...)

No Times de hoje # 21

Mais um dia daqueles no New York Times
____________________


Sobre a adopção de crianças Ucranianas por familias Americanas, o artigo A Taste of Family Life in U.S., but Adoption Is in Limbo mostra as fragilidades de um sistema ainda incipiente, que permite a crianças de orfanatos daquele país visitarem uma possivel familia de adopção Americana e durante duas semanas viverem nas nuvens. A visita é isso mesmo – temporária e contra isso nada a fazer. O pior é que a burocracia, a corrupção e a demora dos processos muitas vezes fazem com que a adopção nunca se concretize, sofrendo as crianças e as familias.

Safe-Haven Laws Fail to End Discarding of Babies é um artigo perturbador que põe a claro uma realidade chocante: o número de crianças recem-nascidas mortas pelas próprias mães tem vindo a aumentar em Nova Iorque, apesar das leis que permitem que se abandonem aquelas crianças em hospitais ou postos de bombeiros, no strings attached, i.e. sem medo de serem investigados por isso. Dos 50 estados, 47 têm estas leis em vigor. Ainda assim, 6 recem-nascidos mortos foram encontrados em centrais de reciclagem e contentores de lixo, na área de Nova Iorque, o dobro de 2005. É de tal maneira que a associação A.M.T. Children of Hope Foundation em Long Island, encarrega-se de receber os bébés abandonados que sobrevivem e de enterrar os que não têm essa sorte, aos quais é atribuido um nome e o mesmo apelido: HOPE*.

Finalmente, For Human Eyes Only fala de um tipo de investigação interessante: o ser humano tem o branco dos olhos maior que qualquer outro primata. E o que é que isso interessa? Aparentemente muito! Os chimpanzés não têm branco nos olhos e por isso, se os seus olhos apontarem numa direcção diferente da da sua cabeça nós não damos por isso. Com os humanos é praticamente impossível dissimular para onde se olha, podendo mais facilmente mostrar o que queremos, o que em sociedades de primatas (que competem pelos mesmos alimentos) pode ser uma desvantagem. Ora a teoria evolucionista diz que as espécies que sobrevivem são aquelas com qualidades que se destacaram, facilitando a sua reprodução e sobrevivência. Assim, se mostrar para onde olhamos pode ser considerado uma desvantagem, haverá certamente algo que a compensa numa magnitude superior. And the key is… cooperation! O artigo está fantástico!
________________

* Vem-me à cabeça a música do David Bowie... não existindo esta associação, mais recém nascidos pereceriam nestas condições. True heroes... even if just for one day!

Espantos # 16


Confesso que ler Zita Seabra, recordando a sua história, as causas que defendeu, porque lutou e que o sistema então vigente se encarregou de punir, ainda me causa alguns engulhos. Não pelos aspectos que referi, outros houve que ficarão na história pelos mesmos motivos, nem sequer pela dissidência do PCP, que não é caso único, mas pelo posicionamento politico que de há uns anos a esta parte causa arrepios da ala esquerda à ala direita do espectro politico nacional.

Talvez seja uma atitude de coragem, talvez.

O que ponho em causa não é o questionamento dos dogmas que defendeu no PCP, isso é saudável e inteligente, afinal os tempos vieram demonstrar que os regimes que então defendia não encerravam o idílio que se tomava por certo, mas tão só o dar publicamente a cara, cara e corpo que outrora deu a outros ideiais, por uma direita que sempre combateu.

Viu a luz? Certamente que sim, mas veria com bom grado menos esta bandeira erguida pela direita.

Tudo isto a propósito da entrevista que deu ao Expresso, este fim-de-semana que, deixando de lado os engulhos causados, tem passagens interessantes que vale a pena ler.
___________________________________________________________

Depois de 20 anos em entrega total a uma causa, o que se segue é uma libertação ou sabe a pouco?
Não posso negar que ficou um vazio quando de repente tive de refazer a minha vida. Mas é mais fácil a pessoa adaptar-se à vida normal do que a uma vida de exclusividade politica. Sobretudo nas condições duras do regime anterior ao 25 de Abril. É difícil passar à clandestinidade (eu tinha 17) anos, largar a família, os amigos, passar fome, largar tudo em nome de um ideal que se tem.

Foi um tempo perdido?
Não. E gosto muito de não ter desistido. Felizmente que fomos derrotados, também digo isso, mas eu teria tido muita pena de ter passado pela minha geração sem dar por isso. (...) Mesmo com os erros que cometemos, vivo bem com o meu passado.

Não se arrepende de nada?
Tenho pena de não ter percebido mais cedo que estava enganada.

(...)

Antes de sair, consta que era uma ortodoxa do pior que havia.
Enquanto comunista fui uma verdadeira bolchevique.

Qual foi o clique que a fez saltar?
Não há um clique, há vários. Começa-se por querer o voto secreto, contesta-se o centralismo democrático, depois vai-se por aí e percebe-se que é toda a ideologia que está errada. Aquela ideologia deu aquele resultado em todo o lado. E aí deixa-se de ser comunista.
(...)

Se calhar ficaram-lhe os tiques.
Ficou-me a disciplina e a capacidade de organização. Foi uma boa escola e acho que muito do que sou na vida profissional devo-o a essa formação de rigor. (...)

Gostava de editar Saramago?
Do ponto de vista comercial, sim. Mas a relação editor-autor seria impossível. O Saramago é um comunista e um comunista não fala a um dissidente. Eles nunca me perdoaram e eu também não.
(...)

Como é que vê hoje o PCP?
É um dinossauro. Resume-se a defender os trabalhadores da administração pública, sem dar resposta ao que os jovens hoje procuram no mercado de trabalho. Tudo completamente antigo.

E o BE?
O BE é um partido de Peter Pans, que erguem bandeiras de há 20 anos.
(...)

O que é que sentiu no dia em que Cunhal morreu?
Álvaro Cunhal foi o politico que mais me marcou e o dia da sua morte não me foi nada indiferente. Nesse dia, eu quis ir à RTP para dizer a mim própria: este passado também é meu. O Trotsky foi apagado da fotografia com o Lenine e há uma frase célebre dos dissidentes russos que dizia: o futuro é seguro, certo e científico, e o passado a Deus pertence. Eu não queria ser o Trotsky que desapareceu da fotografia. Quando saí do PCP ele disse-me: “Nunca mais vais ser nada na vida.” E eu respondi-lhe: “Espero que ainda vivas os anos suficientes para perceberes o que vai acontecer.” E ele viveu o suficiente para perceber o que aconteceu ao comunismo.

O que gosta de fazer, por detrás de toda essa disciplina?
Gosto muito de viajar, para sítios mais civilizados do que nós. Era incapaz de fazer férias em sítios de ditadura. Sou incapaz de ir a Cuba ou Irão, ou à União Soviética porque, lá está, pesa-me na consciência. (...)”

Parece que estou a ouvir # 11


Heroes

I, I will be king
And you, you will be queen
Though nothing will drive them away
We can beat them, just for one day
We can be Heroes, just for one day

And you, you can be mean
And I, I'll drink all the time
'Cause we're lovers, and that is a fact
Yes we're lovers, and that is that

Though nothing, will keep us together
We could steal time, just for one day
We can be Heroes, for ever and ever
What d'you say?

I, I wish you could swim
Like the dolphins, like dolphins can swim
Though nothing, nothing will keep us together
We can beat them, for ever and ever
Oh we can be Heroes, just for one day

I, I will be king
And you, you will be queen
Though nothing will drive them away
We can be Heroes, just for one day
We can be us, just for one day

I, I can remember (I remember)
Standing, by the wall (by the wall)
And the guns, shot above our heads (over our heads)
And we kissed, as though nothing could fall (nothing could fall)
And the shame, was on the other side
Oh we can beat them, for ever and ever
Then we could be Heroes, just for one day

We can be Heroes
We can be Heroes
We can be Heroes
Just for one day
We can be Heroes

We're nothing, and nothing will help us
Maybe we're lying, then you better not stay
But we could be safer, just for one day

Oh-oh-oh-ohh, oh-oh-oh-ohh, just for one day

David Bowie

12 janeiro, 2007

De um tempo ausente; ido...

Fifth Avenue at Sixty-Fifth Street, New York, NY, 1901.

(Picture from the New York Times... where else!)

11 janeiro, 2007

Os olhos mais azuis do mundo


Ela olhou-o bem nos olhos e ele viu um céu azul de Verão. Apeteceu-lhe logo dizer que ela tinha os olhos mais azuis do mundo, mas sabia bem que tal seria vulgar e nada diria na verdade. Pensou depois dizer-lhe que os seus olhos eram pedacinhos de céu, mas sabia muito bem que tal seria ingénuo e de um enorme ridículo. Esforçou-se ainda durante algum tempo por encontrar uma forma poética de dizer os olhos dela, mas nada lhe ocorria. Desanimado, olhou de novo os olhos dela, que sorriam ainda, e viu que eram castanhos. Então sorriu ele também, e disse-lhe numa voz clara de espanto: Tens os olhos mais azuis do mundo.

Luis Ene
(Aqui)

10 janeiro, 2007

Foi neste dia # 60 (1929)

Faz hoje 78 anos que apareceu pela primeira vez o Tintin, um dos cartoons de sucesso do século XX, traduzido em mais de 40 línguas.

09 janeiro, 2007

Um Adeus Português


Nos teus olhos altamente perigosos
vigora ainda o mais rigoroso amor
a luz de ombros puros e a sombra
de uma angústia já purificada

Não tu não podias ficar presa comigo
à roda em que apodreço
apodrecemos
a esta pata ensanguentada que vacila
quase medita
e avança mugindo pelo túnel
de uma velha dor

Não podias ficar nesta cadeira
onde passo o dia burocrático
o dia-a-dia da miséria
que sobe aos olhos vem às mãos
aos sorrisos
ao amor mal soletrado
à estupidez ao desespero sem boca
ao medo perfilado
à alegria sonâmbula à vírgula maníaca
do modo funcionário de viver

Não podias ficar nesta cama comigo
em trânsito mortal até ao dia sórdido
canino
policial
até ao dia que não vem da promessa
puríssima da madrugada
mas da miséria de uma noite gerada
por um dia igual

Não podias ficar presa comigo
à pequena dor que cada um de nós
traz docemente pela mão
a esta pequena dor à portuguesa
tão mansa quase vegetal

Não tu não mereces esta cidade não mereces
esta roda de náusea em que giramos
até à idiotia
esta pequena morte
e o seu minucioso e porco ritual
esta nossa razão absurda de ser

Não tu és da cidade aventureira
da cidade onde o amor encontra as suas ruas
e o cemitério ardente
da sua morte
tu és da cidade onde vives por um fio
de puro acaso
onde morres ou vives não de asfixia
mas às mãos de uma aventura de um comércio puro
sem a moeda falsa do bem e do mal

Nesta curva tão terna e lancinante
que vai ser que já é o teu desaparecimento
digo-te adeus
e como um adolescente
tropeço de ternura
por ti.

Alexandre O'Neill (1924-1986)

Fome...

Sabemos que há fome no mundo. Sabemos que os países que mais sofrem deste problema são os mais atrasados. Sabemos que esta é apenas a ponta do iceberg de um ciclo vicioso de pobreza.

Sei tudo isto. Ainda assim, quando olho para os números não deixo de ficar alarmada! Mais de 200 milhões de crianças (não pessoas, apenas crianças) abaixo dos 5 anos de idade não desenvolvem por completo as suas capacidades cerebrais. Vem tudo num estudo da revista académica The Lancet, sumarizado num artigo do Diário Digital. Perturbador...

_________

"Developmental potential in the first 5 years for children in developing countries"
Sally Grantham-McGregor, Yin Bun Cheung, Santiago Cueto, Paul Glewwe, Linda Richter, Barbara Strupp
The Lancet 2007; 369:60-70

Summary

Many children younger than 5 years in developing countries are exposed to multiple risks, including poverty, malnutrition, poor health, and unstimulating home environments, which detrimentally affect their cognitive, motor, and social-emotional development. There are few national statistics on the development of young children in developing countries. We therefore identified two factors with available worldwide data—the prevalence of early childhood stunting and the number of people living in absolute poverty—to use as indicators of poor development. We show that both indicators are closely associated with poor cognitive and educational performance in children and use them to estimate that over 200 million children under 5 years are not fulfilling their developmental potential. Most of these children live in south Asia and sub-Saharan Africa. These disadvantaged children are likely to do poorly in school and subsequently have low incomes, high fertility, and provide poor care for their children, thus contributing to the intergenerational transmission of poverty.

08 janeiro, 2007

Palavras lidas #19

(Reflections, by Morgan Weistling)


"Everything becomes mixed up in me. When I think I have remembered something, I'm actually thinking something else; if I look, I see nothing, yet when distracted, I see everything clearly."

-- The Book of Disquiet, Bernardo Soares

06 janeiro, 2007

Espantos # 15

Em Dia de Reis, que marca o encerramento da Época Natalícia:


A maior árvore de Natal da Europa, com 75mt de altura, em pleno Terreiro do Paço, em Lisboa.




O maior fogo de artifício do mundo, no "anfiteatro" que é a encosta do Funchal.


O espanto é a toda esta dimensão... atendendo à nossa...

No Times de hoje # 20

Hoje é um daqueles dias que poderia ficar a ler o New York Times todo o tempo. Seguem apenas três dos artigos que me chamaram a atenção nesta manhã quente de inverno com nuvens.
_____________

A sequência de imagens com audio Creativity in Action, mostra a arte dos artistas a fazer arte. Roberta Smith passou pelo Met e observou várias obras dedicadas ao tema e depois explica tudinho, olhando para cada pintura ao pormenor. É mais ou menos isto que idealizo quando visito um museu: olhar para as pinturas por secções e perder-me na observação dos pormenores mínimos que dizem tudo. Acho que a Roberta devia escrever um daqueles livritos que poderia dar pelo nome de "Art for dummies"... eu comprava!

Sobre o calmo inverno que aí vai, o Times traz hoje o artigo With Mild Winter, the City Revisits Fall Fashion and the Record Books que fala das temperaturas altas para a época, da ausência de neve e dos records. De facto não é normal que a temperatura máxima para Boston hoje seja de 17 graus centigrados. Em Janeiro costuma haver neve pelo chão e gelo que só desaparece em Abril... mas este ano vêem-se crianças de manga curta a brincar nos jardins lá fora.

Finalmente, o artigo With Each Fallen Soldier, a Field of Flags Grows mostra uma forma original de abordar uma questão sensível: uma mulher no estado de NY coloca num campo uma bandeira amarela de plástico por cada soldado morto no Iraque... numa altura em que se discute o envio de uma força de mais 15,000 soldados para aquele país.

Espantos #14

Em alturas de Dakar, estas parecem imagens das longas paisagens do rali do deserto, mas não... são dunas em Marte! Na Terra ou em Marte, dunas são como divãs...

05 janeiro, 2007

Ditto # 21

"(...) Cada povo faz o seu destino. (...)"

Cavaco Silva, na mensagem de Ano Novo (1 de Janeiro de 2007).

04 janeiro, 2007

Ditto #20

If you refuse to be made straight when you are green, you will not be made straight when you are dry.
--African Proverb