31 outubro, 2010

Espantos #272

Desenhar o mapa mundo nos séculos XV e XVI.

Coisas que não mudam #137

As coisas da arte e dos computadores aprendem-se cedo.

Sem título #16


Os céus têm andado zangados por estes dias.

Ditto #162


Speak when you are angry, and you'll make the best speech you'll ever regret.


--Laurence J. Peter

27 outubro, 2010

Pormenores #54

Alvalade

um dos muitos Santos Antónios de Lisboa

quatro pássaros

25 outubro, 2010

Palavras lidas #151

Pese el abanico de enemistades y recelos que mis esfuerzos me estaban labrando, la triste realidad era que, a pesar de mis ínfulas de autor popular, mi sueldo no me alcanzaba más que para subsistir por los pelos, comprar más libros de los que tenía tiempo de leer y alquilar un cuartucho en una pensión sepultada en un callejón junto de la calle Princesa regentada por una gallega devota que respondía al nombre de doña Carmen. Doña Carmen exigía descreción y cambiaba las sábanas una vez al mes, por lo cual se aconsejaba a los residentes que se abstuviesen de sucumbir a las tentaciones del onanismo o de meterse en la cama con la ropa sucia. No era necesario restringir la presencia de féminas en las habitaciones porque no había una sola mujer en toda Barcelona que hubiese accedido a entrar en aquel agujero ni bajo amenaza de muerte. Allí aprendí que casi todo se olvida en la vida, empezando por los olores, y que si a algo aspiraba en el mundo era a no morir en un lugar como aquél.

(p. 23)

Numa sala perto de mim #132

El Secreto de sus Ojos (2009), premiado com o óscar de melhor filme estrangeiro, conta um bom argumento que envolve crime, justiça e as escolhas de vida de cada um.

24 outubro, 2010

Ditto #161


The first lesson of economics is scarcity: There is never enough of anything to satisfy all those who want it. The first lesson of politics is to disregard the first lesson of economics.


-- Thomas Sowell

22 outubro, 2010

Palavras lidas #150


-- Bem -- disse Carlos atirando o chapéu para cima da mesa --, traga-me você um cálice de conhaque, e uma pouca de água fresca. Sintra, de repente, pareceu-lhe intoleravelmente deserta e triste. Não teve ânimo de voltar ao palácio, nem quis mais sair dali; e arrancando as luvas, passeando em volta da mesa de jantar, onde murchavam os ramos da véspera, sentia um desejo desesperado de galopar para Lisboa, correr ao Hotel Central, invadir-lhe o quarto, vê-la, saciar os seus olhos nela!... Porque o que o irritava agora era não poder encontrar, na pequenez de Lisboa, onde toda a gente se acotovela, aquela mulher que ele procurava ansiosamente! Duas semanas farejara o Aterro como um cão perdido: fizera peregrinações ridículas de teatro em teatro: numa manhã de domingo percorrera as missas! E não a tornara a ver. Agora sabia-a em Sintra, voava a Sintra, e não a via também. Ela cruzava-o uma tarde, bela como uma deusa tansviada no Aterro, deixava-lhe cair na alma por acaso um dos seus olhares negros, e desaparecia, evaporava-se, como se tivesse realmente remontado ao Céu, de ora em diante invisível e sobrenatural: e ele ali ficava, com aquele olhar no coração, perturbando todo o seu ser, orientando surdamente os seus pensamentos, desejos, curiosidades, toda a sua vida interior, para uma adorável desconhecida, de quem ele nada sabia senão que era alta e loira, e que tinha uma cadelinha escocesa... Assim acontece a vida ao acaso! Elas não são de uma essência diferente, nem contêm mais luz que as outras: mas, por isso mesmo que passam fugitivamente e se esvaem, parecem despedir um fulgor mais divino, e o deslumbramento que deixam nos olhos é mais perturbador e mais longo... Ele não a tornara a ver. Outros viam-na. O Taveira vira-a. No Grémio, ouvira um alferes de lanceiros falar dela, perguntar quem era, porque a encontrava todos os dias. O alferes encontrava-a todos os dias. Ele não a via, e não sossegava...

Os Maias

21 outubro, 2010

Caprichos #144

No es igual, es desigual... o mejor, es similar a lo que traigo puesto hoy.

19 outubro, 2010

Palavras lidas #149


Pergunta O que acontece quando se junta um fidalgo louco, mas valente, do século XVI com manias de contos de cavalaria do século XIII, e um lavrador são de cabeça, mas medroso e pouco esperto?
Resposta muitas coisas!
___________

Nisto, avistaram trinta ou quarenta moinhos de vento que há naquele campo e, logo que D. Quixote os viu, disse ao escudeiro:
-- A boa sorte guia as nossas coisas melhor do que poderíamos desejar; porque vês além, amigo Sancho Pança, onde se avistam trinta ou pouco mais descomunais gigantes, com que tenciono travar batalha e tirar a vida a todos, com cujos despojos começaremos a enriquecer; pois esta é uma guerra justa e um grande serviço a Deus tirar tão má semente da face da terra.
-- Que gigantes? -- disse Sancho Pança.
-- Aqueles que ali vês -- respondeu o amo -- de braços compridos, que alguns comstumam ter braços de quase duas léguas.
-- Olhe vossa mercê -- respondeu Sancho -- que aqueles que além se vêem não são gigantes, mas moinhos de vento, e o que neles parecem ser braços são as velas que, movidas pelo vento fazem girar a pedra do moinho.
-- Bem se vê -- respondeu D. Quixote -- que não tens experiência de aventuras: eles são gigantes; e, se tens medo, sai daí e põe-te a rezar enquanto vou atacá-los numa feroz e arriscada batalha.
E, dizendo isto, esporeou Rocinante, sem fazer caso dos brados que o seu escudeiro Sancho lançava, avisando-o que, sem nenhuma dúvida, eram moinhos de vento, e não gigantes aqueles que ía atacar. Mas D. Quixote ía tão certo de que eram gigantes que nem ouvia os brados do seu escudeiro Sancho, nem conseguia ver o que eram, embora estivesse já muito perto; antes ía dizendo em altos gritos:
-- Não fujais, cobardes e vis criaturas, que é um único cavaleiro que vos ataca.

(pp. 79-80)

18 outubro, 2010

Retirado do Contexto #115

Being surprised!

Numa sala perto de mim #131

Ben Affleck's The Town (2010) is yet another Boston-crime-bound movie in the line of Mystic River (2003), The Departed (2006), and Gone Baby Gone (2007)... this time with a twist.

15 outubro, 2010

Caprichos #143

Regalar una amiga a 1,200km de distancia. El cupón le llegó por correo electrónico. Su reacción:

¡qué sorpresa! me habeis dejado alucinada. Ha llegado el "atrapalo" me ha encantado (...) y que sorpresón muchisimas y más gracias.

No sé que me gusta más: regalarla, o oír su expresión de felicidad :-)

13 outubro, 2010

Palavras lidas #148

Made in Portugal

Peixe tão definido
na praia,
não relâmpago de prata:
folha de navalha

tirada da pança do mar,
do recesso que alimentava,
lâmina boquiaberta,
água tresmalhada.

Peixe sem solução,
máquina a parar,
circular e vítrea aflição
a olhar.

Alexandre O'Neill (1924-1986)
Poesias Completas

12 outubro, 2010

Palavras lidas #147

MENTIRA
Entre nós a mentira é um hábito público. Mente o homem, a política, a ciência, o orçamento, a imprensa, os versos, os sermões, e o país é todo ele uma grande consciência falsa. Vem tudo da educação.

Uma Campanha Alegre (p. 56)
________________

PARTIDO POLÍTICO
-- Pertencer a um partido político, caro colega, vem a ser?...
-- É meter-se a gente num ónibus que leva aos empregos.

Uma Campanha Alegre (p. 60)
________________

PÊSAMES
Existe com efeito em mim uma inabilidade invencível para escrever o que se chama uma "carta de pêsames". Tenho um honesto e piedoso horror de lançar sobre uma dor verdadeira uma frase artificial - e nunca absolutamente nunca, encontro a palavra justa e que iria ao coração. Tenho o sentimento - mas não lhe acho expressão. O que me apeteceria e consolaria, nesse momento, era um abraço, ou um aperto de mão; mas estas formas mudas de simpatia sincera não se transmitem pelo Correio.

Correspondência (1886) (p. 62)
________________

POLÍTICA
Neste abençoado país, todos os políticos têm imenso talento. A oposição confessa sempre que os ministros que ela cobre de injúrias, têm, à parte dos disparates que fazem, um talento de primeira ordem. Por outro lado, a maioria admite que a oposição, a quem ela constantemente recrimina pelos disparates que fez, está cheia de robustíssimos talentos. De resto, todo o mundo concorda que o país é uma choldra. E resulta, portanto, este facto supracómico: um país governado com imenso talento que é de todos na Europa, segundo o consenso unânime, o mais estupidamente governado! Eu proponho isto, a ver: que, como os talentos sempre falham, que se experimentem uma vez os imbecis!

Os Maias (p. 65)
________________

VONTADE
A vontade que não se satisfaz é como o cognac que se destapa -- perde força e evapora-se.

Correspondência (1877) (p. 81)

11 outubro, 2010

Palavras lidas #146

Na poesia procuro uma casa onde o eco
existe sem o grito que todavia o gera

Gastão Cruz (1941)
Rua de Portugal

10 outubro, 2010

Numa sala perto de mim #130

Le Concert (2009) na Festa do Cinema Francês em Lisboa. Filme feito comicamente sobre assuntos sérios. Para além do cuidado aspecto musical, o filme faz pensar sobre a transição de um país para o sistema de mercado, as ilusões perdidas, a passada repressão atroz, e da manutenção incólume do status quo.

09 outubro, 2010

Pormenores #53

Há cem anos (e quatro dias) a república foi proclamada das varandas do paço do concelho.

Viva a República!

07 outubro, 2010

No Times de hoje #122

There is something about New Yorkers... well, there's many things. The article on today's New York Times points at their illusive sense of safety. In a city of 8+ million (18+ in the urban area around it) people act as if they were in a small inoffensive town that has never witnessed small theft. Here are a few excerpts:

(...) most New Yorkers, myself included, love pretending we live in a very big small town. Thus, when I needed to leave my keys for a friend visiting for the week, I did what people in suburbs all over the country do: they hide little brass passports to all their worldly goods under car visors and garden gnomes. As I do not live within 20 blocks of a garden gnome, my keys went in the mailbox.

(...) Now when I see a man returning to his table to find his iPhone has vanished I think, well — what exactly did you expect? When did kindness become a norm instead of a perk? These are not tourists, mind you. These are people who ostensibly know better. These are the same people who assume they’d be a-O.K. in downtown Detroit at 3 a.m. simply because they’re from New York.

(...) Indeed, we’ve ventured so far out on the trust spectrum that it’s not simply a matter of assuming other people aren’t criminals, but assuming they’re an army of personal assistants. In the past year I have twice found someone’s phone in the back of a cab. The first time a woman asked me if I was still in the neighborhood and could drop it off at her apartment. The second time a man asked me if I could have a messenger bring it to him at his office the next morning because he was “super busy.”

06 outubro, 2010

Espantos #271

No domingo, em Coimbra, foi assim:

entraram ao som de Space Oddity de David Bowie

...Brown control to Major Tom...

it's a Beautiful Day!

BRIOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOSAAA

um palco fabuloso

muitas muitas músicas bem conhecidas

um grande espectáculo de som e luz

a mensagem da Amnistia Internacional para a causa de
San Suu Kyi

One

quando a chuva veio outra vez... I'm singing in the rain

depois de duas horas e dez minutos e de
agradecerem profusamente, foram embora

03 outubro, 2010

Memórias #41

Hoje em Coimbra, lembrando Boston há cinco anos.

01 outubro, 2010

Pormenores #52

Jardins do Palácio do Marquês de Pombal em Oeiras

Quem manda no jardim: as estátuas de pedra dos cães que lá se encontram desde o século XVIII ou os muitos gatos que por lá vivem actualmente?