29 dezembro, 2017

Palavras lidas #361

A Dream of the Future
by Joyce Sutphen

The future that never happens
is the one that makes us do
what we do while we are waiting
for what is never going to come
to take us away from the past,
which is a country that we do not
know anymore, where the language
is strange, only almost familiar.

Years not only go by, they carry us
into places where we meet the dragons,
the gorgons, the pack of wolves
circling with their sharp teeth, and
sometimes we lift a candle, sometimes curse.
Like scarecrows, we scare a bird or two.
We know what we are and are not.

But still we keep on dreaming, warming
our hands over the fire in that cottage
at the end of the road—where everything
is prepared for us, and someone we
never met has departed only minutes ago.

28 dezembro, 2017

Espantos #531

Deixei para trás uma Lisboa nublada
mas ao descolar de norte para sul
vislumbrei por entre as nuvens
os locais chave da cidade. As nuvens
só deram tréguas na segunda parte do voo, onde a paisagem alpina
 se mostrou por baixo de um céu completamente limpo.
Descoberta estava também Turim
que se deixou ver por completo ao cair da noite.

27 dezembro, 2017

Coisas que não mudam #429

Things I don't miss about the US:
#1: the wind chill!

Reminder: ºF = (9/5) x ºC + 32, or ºC = (5/9) x (º- 32)

26 dezembro, 2017

Parece que estou a ouvir #244

A few hours travel on Christmas day with the radio on, were worth many Christmas songs old and new. I actually like it, so I'm not complaining. But just when you think you've heard all possible Christmas songs (about bells and lights and snow and going home and winter and cold and sleighs and lists and presents and Christmas trees and naughty and nice children and santa and deer with red noses and even hippopotamuses...) comes the unexpected song, with a light country touch, of someone who's getting nothing for Christmas. It reminded me of music city and put a smile on my face :-)
__________

(1955 version by The Fontane Sisters)
Music & lyrics by Roy C. Bennett and Sid Tepper

I broke my doll on Kenny's head
Somebody snitched on me
I hid a frog in my sister's bed
Somebody snitched on me


I spilled some ink on Momma's rug
I made Ronny eat a bug
Bought some gum with a penny slug
Somebody snitched on me

I'm gettin' nuttin' for Christmas
Mommy and Daddy are mad
I'm gettin' nuttin' for Christmas
'Cause I ain't been nuttin' but bad

I put a tack on teacher's chair
Somebody snitched on me
I tied a knot in Sarah's hair
Somebody snitched on me

I did a dance on Grandma's plants
Climbed a tree and I tore my pants
I filled that sugar bowl up with ants
And somebody snitched on me

I'm gettin' nuttin' for Christmas
Mommy and Daddy are mad
I'm gettin' nuttin' for Christmas'
Cause I can't be nuttin' but bad

I won't be seein' old Santa Claus
Somebody snitched on me
He won't come visit me because
Somebody snitched on me

Next year I'll be goin' straight
Next year I'll be good, just you wait
I'd start now but it's too late
Somebody snitched on me

I'm gettin' nuttin' for Christmas
Mommy and Daddy are mad
I'm gettin' nuttin' for Christmas
'Cause I ain't been nuttin' but bad

I'm gettin' nuttin' for Christmas
Mommy and Daddy are mad
I'm gettin' nuttin' for Christmas
'Cause I ain't been nuttin' but bad

'Cause I can't be nuttin' but bad'
Cause I ain't been nuttin' but bad

25 dezembro, 2017

Coisas que não mudam #428

...já nasceu o Deus meni-i-no
filho da Virgem Maria...

24 dezembro, 2017

23 dezembro, 2017

Retirado do contexto #240

Cozido e chocolate... devidamente separados!

22 dezembro, 2017

Caprichos #459

Belas flores debruadas que não parecem reais

21 dezembro, 2017

Sem Título #96

Viver no Reino Unido há três meses ensinou-me algumas coisas. Para além da moeda diferente (a que ainda me estou a habituar), do sotaque que muitas vezes me escapa ao entendimento, dos feriados inesperados de que o google me informa (adorei o doodle do dia de Santo André, padroeiro da Escócia, a 30 de Novembro), do trânsito que circula pela esquerda e que provoca atrapalhação ao atravessar a rua e ao aceitar boleias de amigos (dirijo-me sempre à porta do condutor), fiquei também a saber um pouco mais sobre os ingleses... embora esteja no Reino Unido, vivo efectivamente na Inglaterra e para além de um ou outro aluno/colega da Escócia ou Irlanda do Norte (de Gales não conheço ninguém), as pessoas com quem convivo e trabalho são na grande maioria inglesas, havendo também algumas estrangeiras como eu.

No trato e no feitio, os ingleses são bastante parecidos com os americanos, simpáticos, acolhedores e amigáveis, apesar de um pouco mais contidos (como aliás são os europeus em relação aos norte e sul americanos), mas essas pequenas diferenças esbatem-se. Sendo portuguesa, a diferença que me é mais visível é que, ao contrário dos americanos,  os ingleses sabem onde fica Portugal e muitos (muitos mesmo!) até já conhecem. É com uma alegria sincera e sorriso efusivo que me dizem, quando se apercebem qual é o meu país de origem: "Gosto tanto do Algarve!"

Ora, todo o português sabe que o Algarve é dos ingleses especialmente nos meses de verão à excepção de Agosto, mas também em época baixa. O que eu desconhecia, (certamente porque os ingleses que conheci até há três meses atrás, se contam pelos dedos de uma mão), é que a grande maioria dos ingleses que já vieram a Portugal não conhecem Lisboa. Voam directamente para Faro e passam uma ou duas semanas no seu local de eleição do Algarve e dali voltam para de onde vieram. Dizem com orgulho que vão para Vila Moura, Albufeira, ou Lagos há 20 anos, que conhecem já os restaurantes locais com o melhor peixe e que conhecem o dono do restaurante pelo nome, mas a Lisboa nunca foram. E quase todos ficam sem graça de o dizerem... a conversa era sobre o Algarve e só foi para Lisboa porque eu a levei para lá. Alguns apercebendo-se no momento do meu choque quase pedem desculpa. Talvez valesse a pena à TAP fazer publicidade do Portugal stopover não só na América como também no Reino Unido.

Certo dia num grupo de amigos, uma colega do Ecuador (que nunca foi ao Algarve) disse que tinha adorado Lisboa mas que gostou bem mais do Porto. Os que nunca tinham ido a Portugal, ou que só tinham ido ao Algarve, ficaram curiosos e fizeram-me perguntas que me levaram não só a falar daquelas cidades, mas também das ilhas. 

Um dos que nunca tinha estado em Portugal perguntou se eu recomendava que ele fosse primeiro ao Porto ou à Madeira. Eu disse que Lisboa tinha bem mais que ver numa primeira visita, mas que o Porto e a Madeira eram também óptimos destinos a visitar. De seguida perguntou qual era a melhor altura para visitar, ao que respondi que o clima português é bem mais ameno que no Reino Unido durante todo o ano. Mas ele queria mesmo era saber quando é que podia ir à água... aí eu confessei que era a pessoa errada para fazer aquela pergunta. Tendo nascido e crescido em Portugal eu só vou à água no verão e, como sou friorenta, às vezes nem em Agosto a água está a uma temperatura que eu consiga tolerar. No entanto disse-lhe que é sobejamente conhecido dos portugueses, que as águas do Algarve banham há décadas, os ingleses de Março a Outubro e os suecos, talvez de Janeiro a Dezembro. É só marcar a viagem!

20 dezembro, 2017

Pormenores #145

Pormenores interessantes em aeroportos recentes:
a árvore de natal na área duty free em El Prat
e a aeronave Humberto Delgado prestes a viajar para o aeroporto
Humberto Delgado.

19 dezembro, 2017

Pedaços do Funchal (no Natal)

O Natal no Funchal não passa despercebido
as ruas e as encostas estão pejadas de luzes,
os presépios (ao ar livre ou não) teem sempre fruta
e o Menino Jesus aparece sempre vestido
(e o fato com bordado da Madeira).
Não mudam as belíssimas orquídeas
e as igrejas super conservadas.
e claro, provar o vinho da Madeira.

18 dezembro, 2017

Espantos #530

Porque nunca deixa de espantar

17 dezembro, 2017

Coisas que não mudam #427

O nascer do sol no Funchal
e as lindas flores madeirenses
são coisas que não mudam, mas revê-las mata saudades ;-)

15 dezembro, 2017

Ditto #375

To be yourself in a world that is constantly trying to make you something else is the greatest accomplishment.

--Ralph Waldo Emerson

14 dezembro, 2017

Retirado do contexto #238

Him: you're going to Barcelona? And how's the weather in Barcelona?
Me: Actually I haven't checked, but I am sure there's no snow on the ground :-)

13 dezembro, 2017

Palavras lidas #360

Late Fragment
by Raymond Carver

And did you get what
you wanted from this life, even so?
I did.
And what did you want?
To call myself beloved, to feel myself
beloved on the earth.

________

In memory of Joana Costa

12 dezembro, 2017

Inverno #57

Os gansos são exemplo de perseverança
sabem muito bem o que querem e para onde vão

11 dezembro, 2017

Inverno #56

Depois da tempestade veio a bonança, mas o frio ficou
não se trata de areia branca...
é neve e vai demorar a derreter.
Estas fotos, tiradas às 3 da tarde, mostram bem a latitude de 52ºN
amanhã a máxima não passa dos +2ºC onde só chega às 8pm
antes do pôr do sol a máxima fica pelos -2ºC
até lá o ping ping não vai ser intenso
e há tanto ainda para derreter!